QOTSA […Like Clockwork]

Art_cover

Se tem uma coisa que as últimas duas décadas que vivemos trouxe, foi a integração entre gerações. Por quê ? Leia a parada ai…

Quem não conhece Queens of The Stone Age ? Essa pergunta para qualquer pessoa de 20 e poucos anos é simples, mas, e para um jovem de 15 anos ?

Digo isso, porque sabia da existência do …Like Clockwork (2013), mas, ainda não havia escutado. A “chamada” veio de um amigo de um sobrinho (por consideração) que eu tenho, que me disse: – Você precisa ouvir este CD !

Ouvi o CD e com certeza o moleque (Yuri – 17 anos – aspirante a guitarrista) tinha razão, um disco que foge desse emaranhado musical tosco que vivemos.

Nem vou comentar sobre a banda, porque nem precisa. Fiquei contente pelo fato do disco existir, e também em saber que tem uma juventude por ai curtindo música de verdade. Eu, nos meus 17 anos, até recebia umas dicas sobre Rock, do meu Tio Mauro e seu irmão João (Este por sinal era detentor de um belo acervo de discos de Rock em Mongaguá – SP). Mas, ir atrás mesmo, era sempre da galera 5 ou 6 anos mais velha.

Portanto, fica a dica: Queens Of The Stone Age – …Like Clockwork

Vamos à TrackList:

1. Keep Your Eyes Peeled
2. I Sat By The Ocean
3. The Vampyre of Time and Memory
4. If I Had A Tail
5. My God Is The Sun
6. Kalopsia
7. Fairweather Friends
8. Smooth Sailing
9. I Appear Missing
10. …Like Clockwork

 

Álbum da Semana – Combo : Radiohead [OK Computer, The Bends]

OkcomputerTheBends

Comemorando meus 32 anos neste 18 de Maio de 2015 (Medo), deixo aqui um combo de discos que mais gosto de ouvir, Radiohead – OK Computer e The Bends.
Obs.: Só não coloquei o Pablo Honey, pra não deixar o post enorme.
Eu sei que muitos vão achar que essa foi moleza, porque o OK foi eleito o melhor disco da banda, mas, resolvi escolher estes dois discos por causa de algumas faixas. Vamos lá:

Subterranean Homesick Alien > Temos uma boa história aqui. Quando trabalhava com meu grande amigo Rafael e seu irmão Bruno, costumava ouvir essa música e acabava por “vazar” o dedilhado de guitarra, dedilhado este que o Sr. Rafael não gostava (na verdade, ele não gosta de Radiohead).

Karma Police > Quando moleque, passava direto o clipe de karma Police na MTV, e sempre me chamava a atenção.

Fake Plastic Trees > Essa música, talvez foi a primeira que eu ouvi do Radiohead, quando estourou eu tinha uns 12 anos de idade (quando comecei de fato à ouvir rock), ela tocava em uma propaganda da Motorola, sem produto atrelado, mesmo que naquela época o que a motorola mais vendia eram pagers(bip).

High and Dry > Nem preciso explicar, talvez o som que mais tocou na rádio, toca muito até hoje.

Bom, em resumo é isso. Agora, vamos à tracklist:

[OK Computer]

1. “Airbag”
2. “Paranoid Android”
3. “Subterranean Homesick Alien”
4. “Exit Music (For a Film)”
5. “Let Down”
6. “Karma Police”
7. “Fitter Happier”
8. “Electioneering”
9. “Climbing Up the Walls”
10. “No Surprises”
11. “Lucky”
12. “The Tourist”

[The Bends]

1. “Planet Telex”
2. “The Bends”
3. “High and Dry”
4. “Fake Plastic Trees”
5. “Bones”
6. “(Nice Dream)”
7. “Just”
8. “My Iron Lung”
9. “Bullet Proof … I Wish I Was”
10. “Black Star”
11. “Sulk”
12. “Street Spirit (Fade Out)”

Álbum da Semana – Angels and Airwaves [LOVE]

Love_cover
Hoje, o álbum da semana fica por conta de Angels And Airwaves ou AVA para os que já conhecem. Chamado de LOVE e LOVE II e lançado como trilha sonoro em conjunto com o filme “The Lonely Astronaut”.
Formada pelo guitarrista e vocalista do Blink-182, Tom DeLonge, a banda reúne um aparato de guitarras virtuosas, efeitos de Teclado e Samplers, um baixo bem arquitetado e uma bateria muito consistente.
Uma das musicas que mais gosto deste disco e a Young London, que inclusive estou ouvindo enquanto escrevo este texto. Principalmente pela guitarra e seus efeitos.
Mas o AVA, por não possuir integrantes fixos, já sofreu muitas modificações. Já passaram pela banda Atom Willard, que já tocou no The Offspring, Ryan Sinn, Matt Wachter (The architect) 30 seconds to mars e hoje, o AVA conta com Ilan Rubin (Bateria, Baixo) e David Kennedy (guitarra e teclados), além do próprio DeLonge.
Eu sinceramente acho que Tom foi feliz com o AVA, se outrora não rolou com o BoxCar Racer, dessa vez ele achou o caminho, talvez um dos motivos de ter deixado o Blink de lado.
Além do AVA, Tom ainda segue com projetos paralelos como filmes (inclusive animados), Modlife (Um concentrador de artes dos músicos que utilizam o serviço), produtoras com sua esposa, gravadora etc. Na minha opinião, e como ele mesmo cita em suas redes sociais: “I’m a Businessman – Eu sou um cara de negócios.”
E vamos à tracklist:
1. “Et Ducit Mundum Per Luce”
2. “The Flight of Apollo”
3. “Young London”
4. “Shove”
5. “Epic Holiday”
6. “Hallucinations”
7. “The Moon-Atomic (…Fragments and Fictions)”
8. “Clever Love”
9. “Soul Survivor (…2012)
10. “Letters to God Part II”
11. “Some Origins of Fire”

Álbum da Semana – Beastie Boys [Hello Nasty]

Hello_nasty

Em 1998 ocorreu uma mudança significativa na minha vida, uma mudança de bairro e colégio!

Meus pais compraram a tão sonhada casa própria, mas, não era no bairro que eu tanto amava e ainda amo – Penha – SP, foi um pouco mais distante – Cidade Líder – Itaquera – SP.

Desespero? Total! São quase 20km da Penha, um lugar que até então eu morei 16 anos!

Não conhecia ninguém no bairro, entrei em outro colégio no segundo semestre, naquele momento eu e meus irmãos éramos estranhos no ninho, mas, poucas semanas no novo colégio, este que na hora do intervalo tocava música, começa uma tal de “Intergalatic”. Eu, já era fã de B.B na época, curtia demais esse som. Eis que uma pessoa, de apelido PEU chega com seu amigo [Paulo] e diz: – Cara, você curte Beastie Boys? A resposta é imediata! – “O cara que não curte B.B precisa se tratar”. Ali surge uma amizade que dura até hoje.

Hello Nasty surge num momento complicado da música, se naquela época não existia Funk Ostentação, Sertanejo Universitário e coisas do tipo, em 1998 tinhamos Axé Music, Backstreet Boys, N’Sync (E as respectivas Boy Bands). Hello Nasty ficou um bom tempo nas mais pedidas da rádio e nos “Top Five” da aclamada emissora dos anos 90 – MTV.

CD completamente necessário pra quem curte a banda, que começou como banda de hardcore nos anos 80 (E eu acho foda os dois momentos). A banda é composta por: Michael Diamond (Mike D), Adam Yauch (MCA) e Adam Horovitz (Ad-rock). MCA faleceu o ano passado em decorrência de um câncer. Além dos três MC’s, o DJ é nada mais nada menos que Mix Master Mike, que sabe muito bem como tocar as bolachas!!!

Vamos ao Tracklist?

  1. “Super Disco Breakin”
  2. “The Move”
  3. “Remote Control”
  4. “Song For The Man”
  5. “Just a Test”
  6. “Body Movin'”
  7. “Intergalactic”
  8. “Sneakin’Out the Hospital”
  9. “Putting Shame in Your Game”
  10. “Flowin’ Prose”
  11. “And Me”
  12. “Three MC’s and One DJ”
  13. “Can’t, Won’t, Don’t Stop”
  14. “Song For Junior”
  15. “I Don’t Know”
  16. “The Negotiation Limerick File”
  17. “Electrify”
  18. “Picture This”
  19. “Unite”
  20. “Dedication”
  21. “Dr. Lee, PhD”
  22. “Instant Death”

TAGS: Beastie BoysHello NastyAdam Yauch – Ad-Rock

 

Álbum da Semana – Pennywise [Pennywise]

pennywise-seltitledPennywise tem uma importância na minha adolescência roqueira, tanto quanto o Green Day. Mesma história, comecei à ouvir moleque e mesmo com quase 31 anos, ainda ouço na mesma vibe.

Mas, este cd “self titled” é realmente o melhor da banda na minha opinião. Lógico que todos são ótimos, até mesmo Full Circle, disco mais aclamado da banda perde para este na minha humilde opinião. É o primeiro disco da banda, músicas bem estruturadas, a famosa Bro Hymm, que virou hino, por citar a perda de um grande amigo da banda, chamado Jason Thirsk.

A primeira vez que ouvi, de cara, logo na primeira faixa – Wouldn’t It Be Nice, que já é uma bela porrada na batera,  percebi que seria um disco diferenciado.

Fora que eu já fui em dois shows da banda, e o que você ouve no cd, você ouve ao vivo!!

A história do nome da banda tem sim, tudo a ver com o palhaço Pennywise, aquele que se alimenta do medo das crianças, lembra? do Livro e filme IT do grande Stephen King.

E como eu conheci este disco? Mais um belo encontro!
Um amigo meu, que morava na mesma rua, chegou com um monte de cd’s, que um familiar dele desfez em uma mudança. Chegou lá em casa, me chamou e disse: – Beto, meu tio está se desfazendo de algumas coisas, porque ele esta se mudando da casa para um apartamento, ele é meio roqueiro e deixou esses cd’s comigo, você quer algum?

“Esses cd’s comigo” era nada mais, nada menos que Pennywise, U.S Bombs, Lagwagon e por ai vai…Lógico que eu fiquei com eles….

Chega de papo e vamos a tracklist?

  1. “Wouldn’t It Be Nice”
  2. “Rules”
  3. “The Secret”
  4. “Living for Today”
  5. “Come Out Fighting”
  6. “Homeless”
  7. “Open Door”
  8. “Pennywise”
  9. “Who’s to Blame”
  10. “Fun and Games”
  11. “Kodiak”
  12. “Side One”
  13. “No Reason Why”
  14. “Bro Hymn”

TAGS: Pennywise Oficial – Pennywise Wikipédia – Pennywise The Clown – Bro Hymn The Anthem – Stephen King

Álbum da Semana – Green Day [Nimrod]

Nimrod_álbum

Hoje o Álbum da semana fica com NIMROD do Green Day, que na minha opinião só perde para o INSOMNIAC e, por incrível que pareça, eu não acho o DOOKIE o melhor disco da banda.

Resolvi citar este álbum também pela história que tive quando o comprei, que até comentei no Instagram, mas, não entrei em detalhes.

Em 1999, costumava muito ir até a Santa Ifigênia, na época um lugar indispensável para quem era técnico de informática ou tocava algum instrumento musical. Naquela época, havia o que chamamos de BOX de vendas bem no viaduto Santa Ifigênia, eu saia do metrô São Bento e passava por todos os boxes, quando me deparei com este CD, o mais interessante é que o dono do Box(barraquinha) só trabalhava com cd’s originais e, o dono desse box era amigo do meu Pai. Eu com o dinheiro contado, de longe não conseguiria comprar o cd naquele momento, mas, a amizade com meu pai, fez o rapaz soltar a frase tão esperada: “- Magrão, leva esse cd ai que eu acerto com seu pai depois….”

Cheguei em casa, expliquei a situação para o meu pai, que deu um sorriso de canto e disse que estava tudo bem. No final das contas, não sei como foi o pagamento do mesmo. rs

Disco fundamental, mostra uma mudança positiva na banda, mais instrumentos, mais experimentos. Vai do Punk Rock à capela com violão, é um disco bem distinto dos anteriores, tanto do tão punk rock e estourado Dookie e do assombroso Insomniac.

E vamos a Track List:

1. “Nice Guys Finish Last”
2. “Hitchin’ A Ride” – 2:51
3. “The Grouch” – 2:12
4. “Redundant” – 3:17
5. “Scattered” – 3:02
6. “All the Time” – 2:10
7. “Worry Rock” – 2:27
8. “Platypus (I Hate You)” – 2:22
9. “Uptight” – 3:04
10. “Last Ride In” – 3:47
11. “Jinx” – 2:12
12. “Haushinka” – 3:25
13. “Walking Alone” – 2:45
14. “Reject” – 2:05
15. “Take Back” – 1:09
16. “King for a Day” – 3:13
17. “Good Riddance (Time of Your Life)” – 2:34
18. “Prosthetic Head” – 3:38

Álbum da Semana – The Transplants [Transplants]

album-transplantsEm 2002, ano em que o primeiro cd do Transplants foi lançado, eu estava tocando muito por aí músicas do Green Day, Pennywise, NOFX etc. Dividia meu tempo entre tocar, estudar e trabalhar. Mas, desde moleque sempre tive uma queda para o lado da música eletrônica, Hip Hop, R&B etc. Só que em 2002, o Drum’and’Bass (vertente de música eletrônica) não saia do meu então discman(eu gastava 4 pilhas AA por semana). Onde quero chegar? justamente no encontro entre o que eu estava ouvindo e este CD.

Travis Barker (Blink182, Boxcar Racer, +44, Transplants) é um dos bateristas que me inspirou a tentar aprender a tocar bateria e, ele fez todas as músicas do primeiro cd do Transplants com uma levada muito Drum’n’Bass. Isso fez um link muito legal entre o cd e o que eu estava ouvindo, além de ter como companheiros de banda Tim Armstrong (Rancid, Operation Ivy, Transplants etc) e Rob Aston, um rapper praticamente da turma do Snoop Dog (no qual sou fã também). Resumindo: Um Álbum que mistura um pouco de eletrônica, Rock e Hip Hop! Preciso explicar mais alguma coisa? Vale muito a pena ouvir este CD, e vale muito a pena ouvir os cd’s das bandas mencionadas acima, que provavelmente aparecerão por aqui.

Vamos a Track List:

  1. “Romper Stomper”
  2. “Tall Cans in the Air”
  3. “D.J. D.J.”
  4. “Diamonds and Guns”
  5. “Quick Death”
  6. “Sad But True”
  7. “Weigh on My Mind”
  8. “One Seventeen”
  9. “California Babylon”
  10. “We Trusted You”
  11. “D.R.E.A.M.”
  12. “Down in Oakland”

Álbum da Semana – Jack White [Blunderbuss]

Blunderbuss

Num sábado à noite, conversando com meu concunhado André, estávamos falando de artistas que seguiram carreira solo. Quando ele me perguntou; – Beto, você já escutou o novo trabalho do Jack White? 

Quando ele estava terminando a pergunta, me veio em mente Mag White e aquela bateria horrenda dela! Respondi que não, mas, que gostaria de ouvir.

O meu respeito pelo Jack White concretizou-se ali. Uma mistura de Rock, Jazz, uma viagem aos anos 50, uma voz que parece que vai rachar no meio. O Ápice chega na “Hypocritical Kiss”, que bate de frente com alguns acontecimentos de 2013, mais diretamente a uma pessoa da família.

Quando ouvi “Take Me With You When You Go”, viajei completamente no piano. Lembrei de um primo pianista, e quase liguei pra ele, pra ele ouvir.

O CD é da primeira até a última faixa conceituado, músicos de primeira linha. Jack foi realmente muito feliz neste trabalho solo.

Vamos então à track list:

1.  “Missing Pieces”
2.  “Sixteen Saltines”
3.  “Freedom at 21”
4.  “Love Interruption”
5.  “Blunderbuss”
6.  “Hypocritical Kiss”
7.  “Weep Themselves to Sleep”
8.  “I’m Shakin'”
9.  “Trash Tongue Talker”
10.  “Hip (Eponymous) Poor Boy”
11.  “I Guess I Should Go to Sleep”
12.  “On and On and On”
13.  “Take Me with You When You Go”

E claro, vou agradecer ao Andre sempre, por me apresentar este grande trabalho.